TERAPEUTAS
André Gandur
Marilene Coelho

 
 
 

 

 

Alimentação e as Estações do Ano

 
 
Uma das propostas da dietoterapia chinesa é acompanhar o ritmo das estações do ano para estimular o relacionamento harmônico do ser humano com a natureza e, com isso, facilitar o desempenho do qi dentro do corpo. Assim, segundo a medicina tradicional chinesa, os alimentos podem ser recomendados de acordo com as estações do ano, uma ação sustentável para o planeta.

Segundo a teoria dos cinco movimentos, cada estação do ano está relacionada com um movimento. A primavera está ligada ao movimento Madeira e ao sabor ácido; o verão está relacionado com o movimento Fogo e o sabor amargo; o outono relaciona-se com o movimento Metal e o sabor picante; e o inverno, com o movimento Água e o sabor salgado. O período entre uma estação e outra está ligado ao movimento Terra e ao sabor doce.

O outono está chegando!
No outono, a temperatura tende a ser mais fria, e o clima, seco. Portanto, existem duas opções: se o indivíduo tiver um corpo magro e sofrer de distúrbios respiratórios, deverá aumentar o consumo de alimentos úmidos e mornos, que beneficiam os pulmões (fei). Eles umidificam e podem ser usados em qualquer doença respiratória ou na constipação intestinal. No entanto, se o corpo for mais cheinho, tendendo a reter líquidos, a pessoa não deverá abusar de alimentos úmidos como pera, melancia e melão, principalmente em estações mais frias. Isso porque alimentos úmidos e frios tendem a descer, o que pode acarretar edemas, inclusive nas pernas. Assim, o ideal será preparar-se para o inverno com a ingestão de alimentos ácidos, que favorecem as contrações e os intestinos, além de temperarem as refeições diárias com alimentos picantes como cardamomo, alho, cebola, alho-poró e todas as pimentas.

Alimentos para o outono: abóbora, ameixa, arroz integral, cenoura, agrião, damasco, hortelã, guaco, mel, feijão-azuqui, tangerina, cevada perolada, pêssego, mandioquinha, alho, alho-poró, castanhas, nozes, amendoim, cebolinha, peixes, algas e frutos do mar.

Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes

 

Dietoterapia Chinesa

 

A dietoterapia chinesa é um dos legados mais importantes da Medicina Tradicional Chinesa, sendo fundamental, para o fortalecimento dos órgãos e equilíbrio da energia vital (Qi). Se fundamenta em uma alimentação saudável e natural, que promove saúde e bem estar.

Para a realização eficaz da dietoterapia chinesa é imprescindível que se faça uma anamnese completa, para identificar a síndrome que afeta o paciente, para que depois, seja programado pelo profissional, o tratamento adequado, através de uma reeducação alimentar.

A dietoterapia chinesa tem um caráter preventivo, além de ser extremamente eficaz no tratamento de patologias.

 
 

Importante ressaltar que todas as técnicas da Medicina Tradicional Chinesa são terapias complementares e não substituem o tratamento médico. A dietoterapia chinesa também não substitui o acompanhamento com Nutricionista.

Adiante aprofundaremos os estudos e as informações sobre esta importante terapia!

 

 

OS CINCO SABORES

 

A dietoterapia chinesa trabalha com os aspectos energéticos dos alimentos, promove uma reeducação alimentar com o objetivo de harmonização e desintoxicação do organismo.


De grande importância na dietoterapia chinesa, além da função energética, são os sabores, que mais que o paladar geram reações orgânicas. Os sabores se dividem em picante, doce, salgado, amargo e azedo.


Picantes: de natureza quente, são aromáticos, podem induzir a transpiração, promovem a circulação do Qi (energia vital) e Xue (sangue), dissipam o Calor e ajudam na digestão, atuam na energia dos pulmões, tratando a tristeza. São exemplos, o gengibre, a cebola, a cebolinha e as pimentas, alho, agrião, frutas cítricas do outono, noz moscada, coentro, orégano, manjericão, hortelã, cravo, canela etc.

Doce: os alimentos doces podem ajudar no funcionamento do Estômago, podem remover Umidade e atenuar dores e espasmos, podem promover sensação de conforto e harmonia. Expande, relaxa e neutraliza os efeitos tóxicos de outros alimentos. São exemplos, castanhas, damasco, abóbora, tâmaras, mel, beterraba, caqui, cenoura, banana, arroz, leite, coco, figo, ervilhas, aipim, batatas, caju, chuchu, melancia, fruta do conde, inhame, feijão, abobrinha, amendoim, melão, mamão etc.

Salgado: o sabor salgado intensifica a energia dos Rins e Baço, orelhas, ossos e dentes, protege os neurônios, e estimula sem excesso, ajuda a reter os fluidos e limpa os vasos do corpo atraindo a água e eliminando as toxinas. Expectorante, pode suavizar a congestão. Tem função de umedecer e fazer descer, é diurético e laxativo. São exemplos, alga marinha, ostras, soja, castanhas, sementes de abóbora e girassol, aveia, sal, siri, caranguejo, camarão etc.

Amargo: Limpa e esvazia, reduz o calor do corpo, drena fluidos corporais, ativa o intestino, diurético. Tem efeito antipirético, pode aliviar asma e tosse. São exemplos, chá verde, alface, centeio, acelga, café, jiló, couve, chicória, nabo, manjericão, rúcula, carqueja etc.

Azedo: Estimula a digestão, produz fluidos, dispersa a energia do fígado. Ajuda o movimento de contração da musculatura no tubo digestivo, mobilizando as toxinas para o intestino, adstringente, contrai, impede descargas. Bom para o Fígado, olhos, tendões. São exemplos, limão, abacaxi, salsa, tamarindo, tomate, maçã, laranja, maracujá, carambola, coalhada, truta, espinafre, vinagre, ameixa etc.

A ingestão de um sabor na medida correta é benéfica para o órgão em que ele atua, já a ingestão em demasia pode causar danos. Somente um especialista de Medicina Tradicional Chinesa pode prescrever os alimentos, adequando-os com rigor, a cada desequilíbrio energético.

Por André Gandur
  Acupunturista
CRBM 00175-TEC

Fontes: Dietética Chinesa – Profª Tânia Mara A. Flores overstress.com.br

 



O Yin e Yang nos Alimentos

 
 
A dietoterapia chinesa avalia os alimentos, pelas suas qualidades energéticas e não por suas características nutricionais.  O fator principal na escolha dos alimentos é o estudo da direção do Qi (energia) e das naturezas do Yin e do Yang.

A identificação da síndrome em medicina tradicional chinesa é fundamental para determinar o tratamento. Como na Acupuntura, onde pontos são escolhidos, na dietoterapia chinesa, os alimentos também são selecionados para fortalecer o órgão afetado, e, também, atuar em outros canais de energia para harmonizar outros órgãos.

O tratamento com dietoterapia chinesa é feito a partir da natureza da doença, logo doenças que evoluem para baixo, são tratadas com alimentos cuja direção do Qi é ascendente, e doenças que evoluem para cima com alimentos cuja direção do Qi é descendente.

Os alimentos têm dois aspectos: o aspecto yin – material, substancial e nutricional – e o aspecto yang – energético e metabólico.

Alimentos de característica yin: Materiais e substanciais, têm mais sabor, são mais pesados, facilitam a formação de sangue (Xue), dirigem-se para baixo.

Alimentos de característica yang:  Energéticos e calóricos, têm mais cheiro, são mais leves, facilitam a formação de energia e dirigem-se para cima.


Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes-Editora Roca,2015

 

 

Obesidade Yin e Obesidade Yang

 
 

A perda de peso envolve muitos fatores que diferem entre si conforme a característica da pessoa, que também pode ser de natureza yin ou yang, assim como os alimentos.

 
 

Obeso yin
As pessoas obesas, de natureza yin, têm o corpo internamente muito úmido, frio e lento. Elas se cansam facilmente, têm as extremidades e os membros frios, sua urina é abundante e sua musculatura é flácida. Além disso, frequentemente retêm líquidos. A boca fica constantemente úmida; logo, não costumam sentir muita sede. Para esses indivíduos, é fundamental levar calor para o corpo, ou seja, consumir alimentos funcionais, de natureza yang. O obeso yin precisa de uma alimentação com ervas aromáticas e de fácil digestão; por isso, as massas não são indicadas, mesmo as integrais. Ele deve dar preferência a alimentos que secam umidade e aquecem o organismo, evitando os frios e úmidos. Sua alimentação deve conter preferencialmente itens de sabor amargo, doce e picante. É fundamental também não abusar do sal nem do açúcar. Eles também devem comer a maior parte dos alimentos levemente cozidos e praticar exercícios físicos diariamente.

Obeso yang
 As pessoas de sobrepeso e natureza yang sofrem com calor umidade. Elas podem ter metabolismo rápido, mas apresentam muitos sinais de calor, como processos inflamatórios, estresse, agitação, erupções cutâneas, febre, boca seca, urina amarelada e constipação. Trata-se de pessoas dinâmicas, de constituição forte e rosto avermelhado, e que transpiram bastante. O obeso yang precisa de alimentos de natureza refrescante e, de preferência, crua. Alimentos crus e leguminosas devem fazer parte da dieta diária. É fundamental não consumir alimentos muito temperados, condimentos, álcool, frituras e gorduras.

Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes-Editora Roca,2015

 
     
 

Horários Adequados para Alimentação

 
 
Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, o corpo humano precisa de cinco refeições ao longo do dia; afinal, o tempo todo o corpo consome energia – ao pensar, falar, caminhar e trabalhar. A energia vem dos alimentos; por isso, é necessário alimentar-se várias vezes ao dia, em quantidades pequenas.Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, cada um dos órgãos tem um período do dia em que sua capacidade funcional e energética é máxima; por isso, a alimentação deve acompanhar este ciclo quando o órgão está em plena atividade.
 
 

Cada horário está relacionado com um dos cinco movimentos (Madeira, Fogo, Terra, Metal e Água) e um par de Zang Fu, ou seja, um órgão e uma víscera, correspondentes a esses movimentos. Uma vez que a alimentação deve ser feita 5 vezes ao dia, as refeições devem ser divididas entre café da manhã, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar.

Café da manhã (7 h às 9 h)

O horário mais oportuno para o café da manhã é o do estômago (Wei), entre 7 h e 9 h. Neste momento, o órgão está em plena atividade e ávido por energia, já que não se come durante a madrugada.

Lanche da manhã (9 h às 11 h)

Este horário pertence ao baço (Pi), que é o grande “pai” do metabolismo. Nesse horário convém comer algo de natureza doce, como sucos, frutas ou cereais, para estimular as funções do órgão.

Almoço (13 h às 15 h)

Deve-se almoçar depois das 13 h, dando uma pausa de 30 min para facilitar a digestão. É importante lembrar que o movimento Fogo atua na transformação da energia (Qi) em sangue (Xue) realizada pelo coração (Xin). Como o sangue (Xue) é a substância fundamental para a nutrição do corpo, deve-se comer alimentos de todos os grupos para que todo o corpo seja beneficiado, de preferência contendo os cinco sabores.
O chá de erva-doce (Foeniculum vulgare) após as refeições é muito indicado, pois, além de beneficiar a digestão, devido à sua natureza doce, sacia a vontade de comer sobremesa e facilita o fluxo do qi.

Lanche da tarde (16 h às 17 h)

Neste horário a bexiga (pang guang) tem seu ápice de energia; por isso, é importante fazer uma pausa no trabalho, ir ao banheiro e beber algo, seja água, chá ou suco. Nesse horário convém ingerir mais líquidos para promover a limpeza no organismo e facilitar o trabalho da bexiga (pang guang), eliminando as toxinas. A sugestão de quantidade de líquidos, na concepção oriental, é de 6 a 8 copos (200 mℓ) ao dia, o que se aproxima de um litro e meio de água. No entanto, essa ingestão pode variar conforme as necessidades do indivíduo.

Jantar (19 h às 20h30)

O jantar deve conter alimentos nutritivos, porém de fácil digestão, de sabor suave e de natureza yin, como sopas e caldos.

 
 

Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes

 

 

Doenças relacionadas com a Alimentação

 
 

Além do olhar preventivo, a Medicina Tradicional Chinesa entende o corpo como um sistema integrado e observa os sinais para identificar quais órgãos estão enfraquecidos. Em geral, nas crises, os excessos e fatores patogênicos, como frio, calor e umidade, são eliminados, e nos tratamentos regulares, os órgãos doentes são fortalecidos. Dessa maneira, tanto a raiz como a manifestação são tratadas, o que contribui para fortalecer o sistema imunológico e possibilitar a condição de saúde necessária ao indivíduo.

 
A alimentação também atua para colaborar com o tratamento e com a saúde. Os alimentos podem nutrir, ajudar na expulsão de fatores patogênicos e fortalecer os órgãos internos conforme a necessidade do indivíduo. A doença, na visão oriental, é chamada de síndrome ou padrão de desequilíbrio, por exemplo, deficiência de yang dos rins, plenitude de calor no fígado, deficiência de qi do pulmão etc.

É fundamental compreender isso para não errar na escolha dos alimentos e entender por que determinados itens alimentares são escolhidos dentro de uma proposta terapêutica. Para os chineses, muitas vezes, o hábito de comer determinados alimentos, contribui significativamente, para o agravamento de uma doença, porque eles acreditam que a característica nutricional dos alimentos não é mais importante do que sua natureza e direção de energia.

Assim, as indicações alimentares dependem dos sinais e sintomas relatados pelo indivíduo no momento de sua necessidade; então, um princípio de tratamento é estabelecido. Nos próximos posts serão descritas as doenças consideradas mais comuns e os alimentos adequados para elas segundo a medicina tradicional chinesa, em caráter complementar

Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes

 

 

As Doenças e os Alimentos adequados segundo a
Medicina Tradicional Chinesa

 
 
  • Alcoolismo

Pela dietoterapia, é importante selecionar primariamente os alimentos que eliminam os efeitos nocivos do álcool, como: tangerina, caqui, laranja, amora, maçã, nozes e amendoim.

  • Anemia

A anemia é um estado de “vazio” do baço que dificulta a formação de qi e de sangue (xue), são exemplos de alimentos adequados, abóbora, beterraba, carne bovina, castanhas, chicória, espinafre, feijão de soja, frango, mel, geleia real, nozes, peixes, tâmara, tofu, sementes e suco de uva integral orgânico

 
 
  • Ansiedade

Os alimentos que beneficiam esse quadro são os frescos, como maçã, ostra, cebola, laranja, aspargos, arroz integral, aveia, abacate e nozes. Aqueles que sofrem de ansiedade crônica também devem evitar o consumo frequente de estimulantes, como café, bebidas alcoólicas e alimentos condimentados.

  • Artrite

Os alimentos para artrite são: geleia real, tofu, figo, mel, limão, tangerina, ostra, ervilha, pera, romã, nozes, melancia, inhame, cevada perolada, alface e abacate. Em casos de profunda atrofia associada à artrite, acrescentar carnes magras (frango e peixe) e alimentos ricos em ômega 3 (quinoa e linhaça).

  • Arteriosclerose

A arteriosclerose ocorre quando gordura se acumula na parede das artérias, comprometendo a circulação sanguínea. Retirar da alimentação todos os doces e alimentos gordurosos. São benéficos, berinjela, alho, aipo, cebola, tomate, feijões, cogumelos, milho, semente de girassol, uva e algas, sementes de linhaça e quinoa.


Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes

 

 

As Doenças e os Alimentos adequados segundo a Medicina Tradicional Chinesa

 
 

 

  • Cálculos biliares

A formação de cálculos biliares ocorre quando o excesso de colesterol impede o livre fluxo de qi e a bile não é suficientemente secretada. É importante escolher alimentos que mobilizem o qi do fígado e que dispersem a umidade patogênica: a berinjela, aipo, acelga, água de coco, agrião, broto de alfafa, feijão-azuqui, feijão vermelho, maçã, melão, pera, limão e rabanete.

 
 
  • Cefaleia

De modo geral, em dores mais fortes é necessário que o calor patogênico desça, por isso é necessário escolher alimentos de natureza descendente, como maçã e espinafre. A hortelã também é benéfica por sua ação refrescante e dispersiva.

  • Cistite

É considerada na Medicina Chinesa, como calor e umidade patogênica. Os alimentos indicados são os de natureza fria e refrescante, como broto de bambu, pepino, pera e melancia.

  • Cólicas menstruais

Ocorrem por estase de qi e de sangue (xue). Alimentos: feijões vermelhos, goji berry, amendoim, gergelim, mamão, pêssego, ovos, alho, batata-doce, cebolinha, cenoura, espinafre, pepino, ervilhas, soja, missô, broto de alfafa, beterraba, alcachofra, aspargos, pepino, linhaça, mel, espinafre, repolho, banana, melancia, pera, ameixa e todas as sementes.


Fonte: Fonte: Dietoterapia Chinesa – Andrea Maciel Arantes

 

 

Alimentos Alcalinizantes e Alimentos Ácidos

 
 
 
 

Procure se alimentar principalmente na proporção de 80% de alimentos alcalinizantes para 20% de alimentos ácidos.
Quanto mais nos alimentamos de alimentos alcalinos evitamos problemas de proliferação de fungos, bactérias e vírus.

Alimentos Alcalinizantes
Carboidratos complexos, frutas (limão, lima, melancia, manga, mamão, banana, cereja, abacaxi, pêssego, abacate, tâmara, figo, melão, uva, amora, maçã, pera), aspargo, sal marinho, alho, orégano, azeite de oliva, alecrim, rabanete, couve, cebola, salsa, espinafre cru, brócolis, quiabo, abóbora, pepino, feijão verde, (favas), beterraba, salsão, alface, abobrinha, batata doce, cenoura, tomate, quinôa, milho verde, cogumelo, repolho, ervilha, couve-flor, nabo, azeitona, queijo e leite de soja, castanha do Pará, avelãs, coco, gengibre, algas marinhas e mel natural.

Alimentos Acidificantes
Carnes de todos os tipos, pão de trigo, ovos, manteiga e margarina, leite e derivados, sementes (abóbora, gergelim e girassol), chá preto, mate, cacau, mel processado, batata sem casca, feijões, fruta enlatada, arroz branco, milho, aveia, centeio, açúcar (refinado, branco, mascavo), geleia, maionese, mostarda, vinagre, ameixa seca, massas, biscoitos, sorvete, pudim, amendoim, nozes, castanha de caju, pistache, refrigerante, bebidas alcoólicas, cigarro, chocolate, bolo, adoçantes artificiais, alimentos industrializados, cristalizados e em conserva, frituras, corantes.

Fonte:http://www.saude.campinas.sp.gov.br/saude/programas/integrativa/curso_
PICS/03_encontro/Apresentacao_MTC_Medicina_Tradicional_Chinesa_19-05-2016.pdf

 

 

 

Dietoterapia Chinesa e Imunidade
Ajuda a prevenir o contágio do vírus Covid-19

 
 
 
 

A MTC tem como base das suas técnicas medicinais o sistema de energias do corpo humano. Umas dessas energias em constante fluxo é a Energia Defensiva (WEI QI). Segundo a Medicina Tradicional Chinesa, o equilíbrio do nosso corpo depende do equilíbrio energético. Os órgãos mais importantes para nossa defesa são: Pulmão, Baço e os Rins.
Para tonificar a energia do Baço, é indicado a ingestão de alimentos cozidos a uma temperatura mais quente, para facilitar a digestão o que evita um gasto maior de energia. Também são indicados alimentos amarelos como a batata, abóbora e o milho.

Os alimentos de sabores picantes, ajudam a fortalecer nossas defesas como o gengibre, cebola, rabanete, canela, pimenta, cravo e o alho. 

Para tonificar o Rim, é indicado alimentos escuros ou pretos, como o gergelim preto, as algas marinhas, feijão preto e uva roxa.

Para tonificar o Pulmão, os alimentos indicados são brócolis, inhame, couve, hortelã e nabo.
Outros alimentos que podemos incorporar na nossa alimentação são os fermentados como kefir, kombucha e missô.
Desta forma, evitamos o gasto de nossa Energia Defensiva, e consequentemente melhoramos nosso sistema imunológico.

 

 

 

Alimentos e sua Natureza Térmica

 
 

Independentemente de sua preparação, todos os alimentos têm uma natureza térmica básica, que tem um efeito específico no corpo. Por exemplo, alimentos energeticamente "quentes", como pimenta, pimentão e alho, promovem o aquecimento do corpo, enquanto os alimentos energeticamente "frios", como tomates e bananas, resfriam o corpo. Alimentos neutros não alteram o nível energético do corpo.

  • Alimentos quentes

Os alimentos quentes aumentam o Yang, aceleram o Qi, ativam, aquecem, dispersam, movem-se para cima e para o exterior, aquecem os Órgãos e Víceras (Zang Fu), eliminam o Frio externo e interno e mobilizam a energia de defesa.
Exemplo: tratamento dos sintomas do resfriado, através do consumo de gengibre, canela, cordeiro, pimentão
Cuidados: o excesso cria calor (excesso de Yang), prejudica o Yin e seca os fluidos corporais.

  • Alimentos mornos

Os alimentos mornos fortalecem o Yang e o Qi, aquecem o corpo, os Órgãos e Vísceras (Zang Fu) e aquecem e fortalecem o Aquecedor Central.
Exemplo: tratamento dos sintomas do resfriado, através do consumo de erva-doce, frango, carne, aveia
Cuidados: excesso cria calor (excesso de Yang).

  • Alimentos neutros

Os alimentos neutros acumulam Qi e fluidos corporais e estabilizam e harmonizam o corpo.
Exemplo: tratamento da deficiência de Qi, através do consumo de mel, arroz, batata

  • Alimentos frescos

Alimentos frescos suplementam os Fluidos Corporais (Jin Ye) e o Sangue (Xue), diminuem o Qi e clareiam o calor.
Exemplo: tratamento de sintomas de calor, através do consumo de iogurte, leite de soja, trigo

  • Alimentos frios

Alimentos frios criam o frio interior e têm um efeito calmante sobre o espírito (Shen).
Exemplo: tratamento de sintomas de calor, através do consumo de melancia, dente de leão, laranja
Cuidados: excesso danifica o Qi e o Yang e esfria completamente o corpo.

Os objetivos terapêuticos são definidos de acordo com o princípio Yin-Yang.

  • O frio requer calor = Yang (quente e morno).
  • O calor requer frio = Yin (frio e fresco).

Alimentos Yang

Os alimentos Yang são alimentos quentes ou mornos; eles aquecem e revigoram o corpo.

Exemplos
: especiarias picantes (pimenta, alho, canela), carnes (carne bovina, frango, carne de caça, cordeiro), café, álcool, aveia, cereja, pêssego.

Os alimentos Yang são recomendados para distúrbios de natureza fria ou fresca.

Deficiência de Qi


Sintomas
: fadiga, palidez, tremores, perda de apetite, suscetibilidade a infecções.

Deficiência de Yang

Sintomas: mãos e pés frios, exaustão, letargia, fezes amolecidas, vontade frequente de urinar com urina clara.

Alimentos Yin

Os alimentos Yin são alimentos frios ou frescos; eles têm um efeito refrescante e calmante sobre o corpo.

Exemplos
: lacticínios, frutas (especialmente frutas tropicais como banana, frutas cítricas), água mineral, tomate, trigo.
Os alimentos Yin são uma terapia importante para distúrbios do calor.

Deficiência de Yin


Sintomas
: membranas mucosas secas, língua seca, suor noturno, mãos e pés quentes, sensação de calor à tarde.

Excesso de Yang


Sintomas
: voz alta, rosto vermelho, inquietação, agitado, hiperativo, distúrbios do sono, sensação de calor.

Fonte: https://www.medicofisiatra.com.br/post/natureza-t%C3%A9rmica-dos-alimentos-na-medicina-tradicional-chinesa

 

 

Alimentação Saudável
Dietoterapia Chinesa

 
 
  • Comer em horários regulares, sem pular refeições e sem diminuir ou aumentar exageradamente a quantidade de alimentos;
  • Comer lenta e calmamente para que a energia dos alimentos seja absorvida adequadamente;
  • Comer mais pela manhã, moderadamente no almoço e pouco no jantar, pois os órgãos responsáveis pela digestão e assimilação da energia dos alimentos, funcionam melhor no período da manhã;
  • Consumir alimentos de todos os grupos (carboidratos, proteínas, gorduras, vitaminas) e de todos os sabores (doce, picante, azedo, salgado e amargo), sem exagerar em nenhum deles;
  • Evitar doces em excesso, pois prejudicam o Baço e geram estagnação, além de retenção de líquido;
  • Evitar bebidas alcoólicas, alimentos fritos e gordurosos, pois causam alterações tipo Calor e Fogo no Fígado;
  • Evitar ingestão excessiva de leite e derivados, pois estagnam o fluxo de Qi e pioram a função do Estômago e Baço;
  • Frutas, vegetais e legumes devem ser ingeridos com moderação e de preferência ao final da refeição. A refeição pode ser iniciada com alimentos neutros ou mornos como sopas, carnes, cereais, pois aquecem o Estômago e facilitam a digestão;
  • Evitar consumo de bebidas geladas, pois causam choque térmico e estagnam o Qi;
  • Ingerir bastante líquido, mas evitar refrigerantes, sucos artificiais e bebidas alcóolicas em excesso.

Fonte: http://institutolongtao.com.br/

 

 

UTILIZE NOSSOS CANAIS DIGITAIS
Tel: (21) 97445-8205
Fonte: http://www.saude.campinas.sp.gov.br/saude/programas/integrativa/curso_PICS/03_encontro/Apresentacao_MTC_Medicina_Tradicional_Chinesa_19-05-2016.pdf